quarta-feira, novembro 28, 2007

... apeteceu-me parar...

... e olhar para a fresta de inverno que está a acontecer. deixei-me ficar e respirei o ar frio e o vento gelado e os galhos nús das árvores, atormentadas diante do calor da minha janela ...

continuo parada, assim, diante do mundo, enquanto o meu mundo cresce.

.

13 comentários:

Luis Eme disse...

E o frio de Berlim, é mesmo frio...

Mesmo parada, o teu mundo cresce, pois o relógio da vida não faz pausas...

un dress disse...

.abraÇo a ver o frio. ~

legivel disse...

... não tenho palavras para paragem tão natura-paisagística. És uma das raras pessoas que me fazem ficar mudo de espanto. Mesmo parada, andas. Não pares! deixa-te ficar.

José Miguel de Oliveira disse...

um inominável verso da natureza é a sua estadia no tempo que há-de parar.

Maria Muadié disse...

Aqui é verão. Verão não tem frestas, ansiamos por janelas.

Mar Arável disse...

Todas as estações têm a sua fresta

é só descobri-las

Presença disse...

Mesmo parada o crecimento dá-se...

bjo doce

Anónimo disse...

mt interessante o blogue. n conhecia.

deixo uma dica de um autor novo que merece ser divulgado:

www.tiagonene.pt.vu

Patsy

Ida disse...

Atão? Esse teu mundo crescendo? Tá tudo bem? Por dentro e por fora? Beijocas

un dress disse...

.beijos de viagem parada.

isabel victor disse...

penduro-me na fresta para te ver...


Bj*

Claudia Sousa Dias disse...

Beijos de uma janela de onde observo os relampagos que caem na serra...


CSD

MB disse...

O teu mundo a crescer!!!! LINDO!!! :D