quarta-feira, dezembro 06, 2006

O Livro dos Bons Princípios (11)

Era daquelas pessoas que não sabiam contar histórias. Não havia nada a fazer! Desde miúdo que transformava todas as histórias que lhe contavam antes de dormir noutras histórias. E acrescentava sempre aquele ponto de quem conta um conto... Enchia todas as histórias de nuances que os autores nunca se lembrariam. Por exemplo, de monstros muito mais feios do que eram naquelas realidades fictícias. E as princesas nunca eram tão bonitas como se dizia e usavam roupa interior com elásticos relaxados, daqueles que fazem som de esbijamento apodrecido. Os princípes deviam ser afinal, uns mariquinhas do pior que só eram capazes de beijar e montar miúdas a dormir, qual galantes, qual carapuça...

Enquanto crescia, mantinha a convicção de que aquelas patranhas eram para pataratas e outros crentes. Quando adolescente, chegou mesmo a pensar que nunca se interessaria por aquelas desenxabidas, armadas em princesas, que ficavam deitadas sem se mexer. Frígidas. A vida foi apenas sedimentando estas convicções, transformando-as em modo de vida, à revelia de pequenos incidentes que lhe mostravam que "a cavalo dado, não se olha o dente", sobretudo quando se fala de éguas e de embriaguez e da infeliz conjugação das duas no mesmo quarto...

Era, como começámos, um inventor de histórias compulsivo. Se fosse historiador, seria inventor da História e não um desses arqueólogos de acontecimentos. E era inventor das suas próprias histórias e das que se inventava até passarem a ser verdade. Quando lhe perguntavam a profissão, ia alternando entre adjunto de chefe de estado (coisa fácil, já que, como ninguém sabe o que fazem, é fácil passar por um) e cozinheiro no "Tás-se Bem", restaurante para gente de bem (bem-vestir, bem-pagar, bem-viver). Às vezes descaía-se e lá confessava que era mentiroso.

E foi por isso que, naquela noite, a mesma em que o reencontrei, naquele lugar em que me contratou para transacção de carnes, me respondeu com um "não quero nada", quando lhe perguntei o que queria da vida. Eu era só uma pequena, num bordel tão escuro quanto vermelho, que lhe tentava vender o corpo por bom preço. Contou-me uns meses mais tarde, quando já eramos clientes assíduos um do outro, que nunca tinha gostado de putas que se vinham com perguntas existenciais. Preferia mentir. Eu acreditei, mas sabia que me estava a mentir...

Conhecia-o desde a niñez, quando ele me contava as suas versões da Bela Adormecida e da Branca de Neve, aquela meretriz dos contos para crianças, que inspirou muitas das minhas histórias do "Hidde and ride"...

Mais e melhores em...
Divas & Contrabaixos
O Afinador de Sinos

Toda a colecção em fascículos separados, encadernados e embonitados em O Livro dos Bons Princípios

5 comentários:

Ida disse...

Essas areias das mil e uma noites fizeram-te bem! Tá do melhor esse texto. Só senti falta de um follow-up... fiquei assim com um gosto de "terminou antes de saborear totalmente". E essa versao de anti-Sherazade masculina encanta.

Ou talvez estejas usando a mesma tática da mitológica contadora e transformando-nos a todos em sheiks ávidos por mais.

inominável disse...

Idinha, podes sempre juntar um pouco de continuação a esta história... prometo que se o fizeres, continuo do lugar onde me tiveres deixado (mas só depois daquela confusão de textos que tu sabes e onde tb estás enfiada até às orelhas...)

:)

PS- ainda morro à míngua de Fevereiro

philosophos disse...

Genial a ideia do livro e a página.
Mas o melhor está no conteúdo. Quem lá escreve não é pequenino.
Parabéns

ser&grafia disse...

A Branca de Neve era uma meretriz? Alguém me esplica por quê? É que ainda ondem contei a história ao meu filhote e não quero que ele fantasie ainda tão novinho...

psique disse...

adorei