terça-feira, fevereiro 07, 2006

O beijo (curta-metragem 1)

... e foi quando eu voltei a cabeça e voltei a ver tudo. tudo outra vez. devagar. ele agarrava-a contra a parede e eu vi tudo. beijou-a num beijo mutuamente consentido. sim, vi. e doeu uma dor pequenina e alcoolizada, embrulhada em analgésico etílico ... e depois acabou. não era possível continuar a brincar porque sentiamos que era um jogo masoquista.

... pergunto-me há quanto tempo ela estará apaixonada por ele. como me suportará. como conseguirá fingir que suporta o que digo e faço. pergunto-me se não seria capaz de lhe arrancar todos os cabelos...

... e volto a ver tudo. outra vez. ele agarra-a contra a parede. outra vez. na minha cabeça todos os dias vejo aquele beijo consentido... que eu terei provocado, pensando que o analgésico funcionaria para lá da consciência, do sentimento, da visão material, dos factos... depois acabou.

... pergunto-me se vale a pena brincar assim... às escuras... dentro de mim sem saber durante quanto tempo vai doer. pergunto-me se não era capaz de sair pela rua a distribuir beijos... pergunto-me se vai doer menos quando deixar de o amar... e forem ambos pó.

volto a ver tudo e fecho os olhos.... mas estou sóbria. ainda dói. e ele ainda a beija contra a parede.

5 comentários:

No name boy disse...

Um beijo que dói ao olhar? Foge dele(s)...

tinóni disse...

surreal ou sobre o real? conta lá... sem medos... não faz mal...

Ida disse...

Que lindo esse beijo! Ou deveria dizer esse quadro q pintas de forma sutil e cortante, sem meios-tons, sem piedade... será ela, ou serei eu, ou seremos nós todos e todas...

Não sei bem pq isso tudo me lembra Amélie Nothomb, Le sabotage Amoureux, e algumas vidas atrás, e algum amante atrás.

Ida disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
inominável disse...

Pois Idinha, sem dó nem piedade... notações de quem passa muito tempo a pensar em coisas... impressões de passagem na rua, no mundo...